Review | NieR: Automata (PS4, PC)


NieR: Automata é sequência de Nier, franquia derivada da série Drakengard. Trata-se de um game de RPG produzido pela Platinum Games, responsável por títulos de ação como Vanquish, Bayonetta e Metal Gear Rising Revengeance.

O jogador encarna o papel de 2B, uma ciborgue de vestido preto, botas de salto e olhos vendados, acompanhada de seu parceiro 9S, ambos munidos de espadas de samurai, e cada um com um pequeno robô flutuante, que ajuda nas batalhas com tiros, e a transportar os heróis para locais distantes ou descer penhascos com segurança. A obra se passa em um futuro muito distante onde a Terra é habitada por ciborgues e robôs que possuem sentimentos vivendo em comunidade, adquirindo culturas entre eles.


Com uma simples mudança de câmera, NieR: Automata transporta o jogador para diversos gêneros de games diferentes. Shoot'Em Up de nave em 2D, Shoot'Em Up de nave em 3D, plataforma 2D e 3D, e principalmente hack’n slash, travando batalhas épicas contra inimigos comuns ou chefes gigantes, sempre disparando uma tormenta de tiros obrigando o jogador a se esquivar, defender-se e atacar os adversários ao mesmo tempo. O visual não é realista, possuindo traços originais e artísticos que ficam ainda mais lindos com as chuvas de tiros disparados pelos inimigos.


É difícil querer evitar alguma batalha, pois todas são cheias de ação, com ótimos comandos, encarando desde animais e pequenos seres robóticos, até criaturas gigantes, podendo ser inimigos comuns ou chefes. Desferir golpes de espadas e atirar ao mesmo tempo é um prazer viciante, não importa o quão grande ou difícil é o adversário. Chefes em que os heróis enfrentam através de suas naves, em uma troca de tiros alucinante, dão um tempero forte à ação desenfreada do título.

Em um mundo aberto, os heróis se encontram em belíssimas paisagens para desenrolar missões da história. A exploração não incentiva apenas a procura de itens, mas a encontrar locais escondidos com visuais impressionantes, sempre escondendo um adversário a altura para ser derrubado. O mundo de NieR: Automata abriga lindas florestas, com ruínas de antigos castelos ou cenários urbanos contemporâneos, com prédios caídos tomados pela vegetação. Um vasto deserto de areia também está presente, e ainda há um deslumbrante parque de diversões que parece ter saído de um filme de Tim Burton.


Enriquecendo a experiência, a trilha sonora, que quase nunca para, se adapta a cada local ou ambiente explorado por 2B. Sempre com um vocal feminino, as composições podem ser relaxantes em momentos de exploração, ou agitadas, tornando os conflitos contra chefes ainda mais tensos. Efeitos sonoros e atuações de dublagem estão impecáveis.

Em certos pontos, NieR: Automata pode parecer estranho, especialmente na hora de salvar o game. Não há salvamento automático, além de não podermos guardar o progresso a qualquer momento. Inicialmente o estranhamento que o sistema de salvamento causa incomoda, e leva um tempo para que o jogador se acostume. As aquisições de troféus e conquistas do game podem ser feitas, depois de desbloquear um número de finais da história, através da compra com um personagem não jogável, usando a moeda do jogo.


Veredicto:


NieR: Automata é uma das mais belas surpresas da indústria de games do ano, sendo um RPG com a ação típica e icônica que só a Platinum Games consegue entregar. Se os cenários imensos com prédios tomados pela natureza já enchem os olhos de beleza, batalhas, com comandos fáceis e viciantes de serem realizados, apresentam uma tempestade de tiros e espadadas tornando o game uma experiência agradável tanto para os olhos quanto para os controles, sem falar da trilha sonora, que se encaixa em todos os pequenos momentos da obra. Um título que merece reconhecimento e não pode passar batido.

Nota: 9,0

Ficha Técnica
Título: NieR: Automata
Plataforma: PlayStation 4 e PC
Produtora: Platinum Games
Distribuidora: Square-Enix
Lançamento: 27 de fevereiro de 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário