Crítica | Homem-Aranha de Volta ao Lar


Lançar um novo reboot do Homem-Aranha nos cinemas é provavelmente a manobra mais arriscada do ano feita pela indústria de filmes de super-heróis. O primeiro filme do personagem dirigido por Sam Raimi ainda é um dos maiores clássicos do cinema. Mas com a cobrança dos fãs por inserirem o personagem no universo compartilhado da Marvel, seria inevitável colocar o Homem-Aranha em um filme dos Vingadores sem haver um filme novo só dele.


Tom Holland, que já havia interpretado Peter Parker em Capitão América: Guerra Civil, assume o papel do protagonista em Homem-Aranha De Volta Ao Lar, dirigido por Jon Watts, finalmente colocando o herói nova iorquino entre heróis como Homem de Ferro, Capitão América e Thor. De Volta Ao Lar é, por enquanto, o filme de super-heróis mais fraco do ano, mas felizmente a indústria vive sua era dourada, e o filme está longe de passar a vergonha que O Espetacular Homem-Aranha de 2012 passou. Tom Holland não é brilhante como Tobey Maguire, mas transborda carisma lidando com os problemas de adolescente enquanto combate o crime em Nova Iorque e Washington DC. Peter Parker é a estrela do filme mas dá espaço para os coadjuvantes brilharem. O lado perdedor do adolescente na escola, na família e usando seu disfarce é tão bem explorado quanto nos filmes de Sam Raimi.


Tony Stark (Robert Downey Jr.) agora é quem transmite a mensagem sobre grandes poderes e grandes responsabilidades, supervisionando de longe todas as manobras feitas pelo mocinho. O Homem de Ferro entra para consertar graves erros cometidos pelo Aranha, até o ponto de precisar forçar o adolescente a parar de querer bancar o amigo da vizinhança, aplicando uma punição que faz tanto Peter, quanto o espectador sentir.

O vilão Abutre é interpretado por Michael Keaton, que já interpretou gloriosamente dois super-heróis alados. É um infortúnio dizer que o Abutre é um dos pontos fracos do filme, cometendo decisões não muito inteligentes para tirar o Aranha de seu caminho, sobrando um bom diálogo com Peter no final para passar a impressão do quão grande o vilão é.


As cenas de ação são lindas e podemos perceber que os momentos do Homem-Aranha pendurando-se em teias e saltando entre arranha-céus praticamente inexistem. Tais cenas eram tão presentes nos filmes anteriores que a ausência delas pode causar estranhamento, mesmo não fazendo falta, já que outros poderes do herói são bem explorados.

Não é uma obra imperdível como o filme de 2002, porém é cativante. A linguagem nerd adolescente do longa faz de De Volta Ao Lar um filme icônico mas ofuscado por Logan e Mulher-Maravilha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário