O Doutrinador | Entrevista com Luciano Cunha


O que mais vemos hoje nos jornais, são notícias sobre a operação Lava Jato, que expôs muito da roubalheira que ocorre na política brasileira. O grande problema é que muitas vezes a população não faz nada para tentar mudar esse cenário, talvez por medo ou desinteresse. Juntando toda a sua indignação, Luciano Cunha criou um dos maiores anti-heróis brasileiros, que irá ganhar um filme em Live-Action pela Paris Filmes em parceria com a Dowtown Filmes, uma série também em live-action e uma animação de 10 episódios. O Doutrinador será a primeira HQ brasileira a chegar ao cinema depois da Retomada.

Os quadrinhos começaram em 2013, em forma de webcomix publicado no Facebook. Em 2015 ganhou as livrarias e fez sucesso entre os leitores, tanto os mais assíduos, quanto o público em geral. O grande acerto de Cunha foi justamente lançar o quadrinho quando a população começava a demonstrar sinais de uma insatisfação muito grande com os políticos de nosso país. Mais precisamente, durante os protestos pelo aumento da tarifa de ônibus em São Paulo, afinal, "não era só pelos 20 centavos".


Hoje, O Doutrinador conta com 3 edições publicadas, sendo que a terceira foi lançada durante a Comic Con Experience 2016. Entrevistamos seu criador, Luciano Cunha, para falar mais sobre suas motivações e o filme que está por vir. Confira na íntegra:

Murilo Burns: Primeiramente, conte-nos como que surgiu a ideia de criar O Doutrinador. O personagem teve essa missão de caçar políticos corruptos desde o começo? Ou foi algo que você foi modificando com o tempo?

Luciano Cunha: Não, ele sempre caçou corruptos. Eu o criei com esse objetivo, pra expressar minha indignação, minha revolta. Que eles sentissem medo, tivessem alguém os espreitando, pelo menos na ficção.

MB: Quais são as referências de outros quadrinhos que você usou na obra?

LC: Ah, muita coisa! Eu costumo dizer que O Doutrinador é um amaranhado de referências, de quadrinhos até arte urbana como graffiti. Mas de HQ's usei desde Watchmen até Batman, passando por DMZ.


MB: Sabemos que O Doutrinador vai ganhar uma adaptação para as telonas. Como surgiu a ideia? O estúdio te procurou ou o contrário?

LC: É uma longa história. Mas, em resumo, um amigo em comum me apresentou ao analista de roteiros da Dowtown Filmes que, por coincidência, já era fã do personagem. Ele levou a ideia à produtora, que fez o convite e começamos a negociar.

MB: E sobre o processo de criação da Obra para o Cinema. Você mesmo é responsável pelo roteiro ou foi contratado algum roteirista e seu trabalho é de supervisão?

LC: Estou participando muito de perto de todo o processo, inclusive fazendo parte da sala de roteiristas com mais 4 profissionais e uma coordenadora.

Luciano com a equipe responsável pelo roteiro do filme.

MB: Como surgiu a ideia de ser quadrinista?

LC: Aos 6 anos eu já fazia quadrinhos, minha mãe tem essas primeiras páginas guardadas, coisa de mãe, né? Então foi um processo natural, mas já tentei viver de quadrinhos mais de uma vez e nesse período era impossível. Ainda seria, se não estivesse envolvido com a produção audiovisual. Ser quadrinista no Brasil é muito, muito difícil.

MB: Como você vê o atual mercado de quadrinhos nacionais? Você acha que o público ainda subestima os artistas brasileiros?

LC: Sem dúvida. Ainda temos um bom caminho para vencer o bloqueio que parte dos consumidores de cultura pop ainda nutre pela produção nacional. O mercado de quadrinhos nacionais ainda é um nicho tão pequeno que não sei se pode ser chamado de mercado. Com certeza há um mercado para a Panini e Mauricio de Sousa Produções. Mas há um mercado de verdade para todos sem distribuição? Com um monopólio de distribuição? Tirando os artistas agenciados que trabalham para editoras americanas, um quadrinista consegue sobreviver só de quadrinhos, pagar suas contas? Novas editoras como a Mino são uma luz no fim do túnel, mas ainda falta um caminho, né? Por isso que eu e os produtores do filme decidimos criar um núcleo criativo, a Guará Entretenimento, para viabilizar projetos multiplataforma baseados em quadrinhos nacionais. Vou tentar dar minha contribuição a partir daqui.

Lista de Fachin no mural d'O Doutrinador, para que as pessoas não esqueçam nenhum nome.

Nilton: Agora voltando mais pro lado político. Qual sua opinião sobre a rivalidade entre direita e esquerda que vemos hoje?

LC: A simples dicotomia num país complexo como o nosso é ridícula e perigosa. É uma discussão totalmente deslocada no tempo, pois a esquerda, como a conhecemos no século passado, está morta. A esquerda brasileira ainda tem os pés nos anos 80 e a nossa direita é uma piada. Estamos perdidos, pois num momento importantíssimo de nossa história, quando precisamos decidir saídas importantes para o futuro do país, perdemos amigos discutindo política pelo Facebook.

Nilton: E qual seu posicionamento para a atual situação política do país e essas últimas reformas?

LC: As reformas são criminosas, propostas por um governo ilegítimo formado por notórios corruptos e que sucedeu um outro governo que praticou estelionato eleitoral, jogando o país numa crise sem precedentes por aparelhar até as paredes de estatais a fim de assaltá-las e permanecer no poder. São tempos muito sombrios. Mas sabia que nós, geeks e nerds, podemos ajudar? Sim, é sério, acho que temos papel fundamental para o início de uma mudança: somos parte dos cidadãos brasileiros com mais escolaridade e mais acesso à informação. Precisamos estudar a situação, nos posicionar e orientar amigos, família, as pessoas de menor escolaridade, fazê-los entender e orientá-los a tomar melhores decisões políticas e isso já agora em 2018, numa eleição importantíssima para o destino do país. Eu penso assim, nós temos uma missão, sabia?


MB: Para finalizar, desejamos boa sorte com o futuro filme (nós do Nerdbucks com certeza iremos assistir) e deixamos esse espaço para que você possa mandar um recado para os leitores e um abraço para os políticos de nosso país (brincadeira).

LC: Obrigado pelo espaço, fiquem ligados na fanpage do Doutrinador, onde vou atualizar todas as informações da série e do filme, além da nova aventura em quadrinhos. Curte lá e abração!

O Filme O Doutrinador está previsto para 2018.


Nenhum comentário:

Postar um comentário