Crítica | Jessica Jones – Um thriller envolvente que abrange o lado mais sombrio da Marvel


Comparações são inevitáveis. Quando os treze episódios de Jessica Jones chegaram na Netflix foi difícil não buscar na atração novata semelhanças com a veterana Demolidor, e logo de cara já nos deparamos com algumas delas: a primeira delas é que, assim como Demolidor, Jessica Jones faz um ótimo trabalho em apresentar o passado e toda a historia por trás da vida da personagem e faz isso de forma impecável.

Outra semelhança com a série de Matt Murdock é que Jessica Jones pode ser vista por qualquer pessoa que não tenha lido os quadrinhos da moça, ou por quem não acompanhe os filmes e séries presentes no universo cinematográfico da Marvel, ouso a dizer que a série pode vir a agradar até mesmo àqueles que não gostam muito do gênero ‘super-heróis’.


Jessica Jones é uma serie de investigação, uma série que mostra a jornada pessoal de Jessica e sua luta contra o seu maior e pior inimigo vestido de púrpura. Vemos aqui uma série mais crua e adulta do que a do Demônio de Hell’s Kitchen. E para aqueles que são fissurados por cenas de ação e muita tensão talvez sintam um certo desagrado com esses treze episódios já que a série explora o lado mais psicológico de uma mulher que quer apenas viver sua vida como investigadora particular.

A série também traz novidades e “riscos” já que é uma das poucas protagonizada por uma mulher, infelizmente. Tivemos destaques femininos nas temporadas de Demolidor, como a impecável Elektra e Karen Page, temos também a concorrente Supergirl e as heroínas de Agents of SHIELD. Além disso, Jessica Jones não era uma personagem tão conhecida pelo grande publico como Demolidor se fez após o filme fracassado de 2003 e isso poderia vir a ser um problema, mas sendo produzida pela Netflix não tinha como dar errado.


Em meio a sua vida rotineira e aos casos que aparecem em sua porta, o inicio da trama dessa temporada se deu quando os pais de uma jovem exemplar, que desapareceu por conta de um novo namorado, aparecem  pedindo por ajuda. Jessica aceita o caso e começa a seguir os passos da jovem Hope Shlottman (Erin Moriarty) se deparando com pistas deixadas exclusivamente para que ela criasse a conexão com Killgrave, o Homem-Púrpura dos quadrinhos, interpretado pelo talentosíssimo David Tennant de Doctor Who.

O roteiro possui um humor acido e afiado, porém Melissa Rosenberg falhou em formar melhor o caráter de alguns outros personagens, principalmente a sub-trama da vida de Jeryn Hogarth (Carrie Ann Moss, a Trinity de Matrix) que correu aleatoriamente por fora da trama principal, além de fazê-la ser uma mulher irritante e desprezível a maior parte do tempo.


A ameaça de Killgrave, que tem o poder de convencer todos e qualquer um a fazer o que ele mandar, é moldada pouco a pouco e de forma muito competente, deixando as evidencias de sua existência fluírem apenas através da psicose e paranoia dos personagens, principalmente de Jessica que luta contra o seu primeiro instinto de fugir para longe do problema e fica para salvar a inocência de Hope, tendo a jovem como um espelho do seu passado forçado ao lado do vilão.

Jessica Jones também nos apresenta Luke Cage (Mike Colter) que surge como seu amante e será o próximo personagem a ganhar uma série pela parceria entre Marvel e Netflix. Um homem de pele impenetrável, super-força e com um passado ainda a ser desvendado. Aos poucos o universo da vindoura série d’Os Defensores, que tem previsão de estreia para 2017, está sendo moldado nas séries dos quatro personagem que virão a integrar o time de heróis, e que provavelmente irão enfrentar O Tentáculo (The Hand), a organização que teve uma trama secundária na segunda temporada de Demolidor através da Elektra Natchios.

A temporada de estreia de Jessica Jones não atinge todo o potencial que poderia ter atingido, porém ela agrada, seja na escolha do elenco - que foi incrível - ou na trilha sonora que embala as poucas, mas agradáveis cenas de ação. Infelizmente, a segunda temporada só tem previsão de estreia para 2018 junto a terceira temporada de Demolidor. Ainda temos muito para esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário