Conheça Flashpoint, arco que será adaptado na terceira temporada de The Flash


Nos momentos finais da segunda temporada de The Flash, Barry Allen, cansado de toda a tragédia que assolava sua vida, decidiu regressar no tempo novamente, porém dessa vez realmente impedindo o assassinato da sua mãe, criando assim uma nova linha da tempo conhecida como Ponto de Ignição, o Flashpoint.

Nos quadrinhos da DC, Flashpoint é um arco muito importante da editora pois foi o responsável por “resetar” todas as linhas temporais criadas até então e começar uma completamente nova, chamada de Os Novos 52.

Aqui, irei fazer um resumo desse arco (que também possui uma animação para quem tiver interesse) sem me aprofundar muito em detalhes, apenas para que quem nunca tenha ouvido falar possa conhecer melhor a historia e se preparar para as mudanças que virão no arrowverse.

A historia de origem de Flashpoint na série até então é bem similar a dos quadrinhos, onde acompanhamos Barry Allen voltar no tempo e salvar a vida de sua mãe criando uma nova linha temporal, o Ponto de Ignição. Porém ele perdeu uma parte de suas memórias e não se lembra de ter sido o criador dessa nova realidade, acreditando que havia sido obra de algum dos vilões com a intenção de desmantelar a Liga da Justiça, no caso o Professor Zoom, o Flash-Reverso.

Nessa realidade paralela Barry seguiu um caminho diferente em sua vida como CSI que o levou para bem longe do local do acidente onde ele viria a se transformar no Flash, sendo assim ele se vê sem os seus poderes e decide seguir atrás de um aliado para ajudar a recuperá-los, o Batman.

O Homem Morcego ainda existe, mas sob a identidade de Thomas Wayne, que viu seu filho Bruce ser morto em um beco e assistiu sua esposa ser consumida pela loucura vindo a se transformar no Coringa (sim, Martha Wayne é o Coringa). Enquanto isso, o Superman, cuja nave não caiu no Kansas mas sim em Metrópolis, está sendo mantido preso como cobaia em uma base militar do governo deixando assim o posto de maior super-herói do mundo para o Ciborgue.

Além de tudo isso o mundo de Flashpoint está em meio a uma grande guerra travada entre as amazonas, lideradas pela Mulher-Maravilha, e os atlantes do Aquaman e o numero de vitimas é avassalador. Essa guerra serviu para mostrar como o mundo seria diferente sem o Flash e também como motivação para que Barry tentasse recuperar seus poderes e consertar aquele mundo ao tentar voltar para o seu.

Por fim, após se despedir de sua mãe, Barry corre para tentar impedir a si mesmo de salvá-la. Em meio a corrida surge a voz de Pandora dizendo que ele deveria unir três diferentes realidades, fundindo assim os universos DC, Vertigo e WildStorm em um só no mundo pós-Flashpoint. O mesmo deve acontecer em The Flash, servindo de justificativa para unir Supergirl ao arrowverse.

Essa saga, como disse anteriormente, possui também uma animação que por contar com um tempo reduzido para contar toda uma história acaba cortando e simplificando toda ela. Na animação o Batman possui um humor muito mais ácido e uma atitude mais sádica do que o Thomas Wayne da saga. A Mulher-Maravilha e o Aquaman também são mostrados como seres super-poderosos cruéis que não se importam nem um pouco com a vida de ninguém, sendo que nos quadrinhos, apesar de toda tirania, eles ainda possuíam um pequeno lampejo dos heróis que nunca foram.

Na série obviamente não teremos todos os detalhes e tramas presentes nos quadrinhos, porém quando Barry voltar no tempo para consertar o seu erro teremos aí um reboot do universo DC na televisão, no entanto não acredito que será uma mudança muito significativa pois os produtores já demonstraram um certo medo de arriscar demais. Dentre as coisas que irão acontecer, teremos a chegada da Supergirl, a não-morte da Canário Negro e o retorno do Eobard Thawne, Capitão Frio e quem sabe Tomy Merlin

A série está retornando no dia 04 de outubro, o que nos resta então é esperar para ver no que Flashpoint vai dar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário