Resenha | Star Wars: Estrelas Perdidas (Claudia Gray)


Sinopse: Ciena Ree e Thane Kyrell se conheceram na infância e cresceram com o mesmo sonho: pilotar as naves do Império. Durante a adolescência, sua amizade aos poucos se transforma em algo mais, porém diferenças políticas afastam seus caminhos: Thane se junta à Aliança Rebelde e Ciena permanece leal ao imperador. Agora em lados opostos da guerra, será que eles vão conseguir ficar juntos?

Como eu havia dito pra vocês na resenha do livro Star Wars: A Arma de um Jedi, irei tentar trazer a resenha de vários livros da franquia, tanto do novo UE, como do antigo.

Mas na resenha de hoje eu continuo a me aventurar pelo novo cânon da Disney, com o livro Star Wars: estrelas Perdidas. Confesso que esse livro não era a minha primeira opção de leitura, a ideia era ler o Marcas da Guerra, mas optei pelo Estrelas Perdidas depois de ver que cronologicamente ele se passava antes.

Agora, depois de ter lido o livro inteiro eu posso dizer que essa foi a decisão mais correta, pois realmente me surpreendi, de uma forma muito positiva, com o livro.


A princípio a história tem todo um clima de Romeu e Julieta inseridos no mundo de Star Wars, e realmente esse clima acaba durando até o final do livro, mas o relacionamento entre Thane e Ciena acaba sendo bem trabalhado, mesmo que tenha alguns clichês comuns nesse tipo de história.

Mas o plot principal (o romance entre os dois) acaba não sendo o maior destaque do livro, que acaba sendo a ligação com os filmes da trilogia clássica. É muito interessante reviver as batalhas de Yavin, Hoth e Endor pelo ponto de vista de outros personagens, e a autora consegue tornar esses momentos bem envolventes, e tornando plausível a participação desses personagens, sem entrar em conflito com os filmes.

Claro que não temos somente a ligação com os filmes nos momentos de batalha, no livro podemos ver novamente a destruição de Alderaan pela Estrela da Morte, mas com um diferencial: A narrativa tornou a cena bem mais impactante, você realmente sente a tristeza de ver um planeta inteiro ser dizimado, e como isso mexeu com a cabeça até mesmo de soldados do Império.

Voltando ao arco principal, o romance entre Ciena e Thane, ele é muito bem construído. Ambos se conhecem por partilhar de um sonho em comum: virarem pilotos do Império. Eles crescem juntos e vão desenvolvendo uma relação extremamente forte. E por aprenderem a pilotar juntos, acabam desenvolvendo uma sincronia de voo única.


Desde o começo a relação entre eles é vista com maus olhos (bem estilo Romeu e Julieta mesmo), pois o planeta deles (Jelucan) possuía uma divisão de castas. Thane era da casta mais alta e Ciena da mais baixa e menos desenvolvida, que vivia de agricultura e não tinha muito contato com tecnologia. Desnecessário dizer que ambas as castas não se davam bem, logo a amizade dos dois não era bem vista por ambas as famílias.

Durante todo o livro o amor de ambos é sempre posto a prova e vários acontecimentos acabam os mantendo separados, mas o ápice é quando Thane percebe o quão maligno é o Império, abandona seu posto e depois de um tempo junta-se à Rebelião.

O legal do livro é que temos vários plots, vários acontecimentos e você não se perde em nenhum deles, e todos acabam tendo um bom desenvolvimento sem tornar a leitura maçante, coisa que muitos livros que colocam várias sub-tramas acabam fazendo.

Para encerrar posso parafrasear o que está escrito atrás do livro: Star Wars: Estrelas Perdidas realmente é uma história indispensável para os fãs de Star Wars e para todos apreciadores de uma boa história.

Ficha Técnica
Nome: Star Wars: Estrelas Perdidas
Autora: Claudia Gray
Editora: Seguinte
Páginas: 448
Onde Comprar:  Submarino, Saraiva, Amazon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário