Conheça Horus Heresy - Parte 6: O Primeiro Traidor


Dae galera, quanto tempo não venho lhes falar sobre Horus Heresy, a deliciosa história de como o Warhammer 40k veio a ser o que é hoje. Não se esqueça de conferir as partes anteriores para não ficar de fora de nenhum detalhe sequer!


Apesar de a história se chamar HORUS HERESY, o primeiro traidor que se rebelou contra o Imperador da Humanidade na verdade foi Lorgar Aurelian, lider dos Word Bearers e o mais devoto de todos os Primarcas.


Quando os poderes do Chaos se infiltraram no laboratório genético do Imperador e sequestraram os primarcas de seu pai, eles os lançaram para vários planetas ainda quando crianças, jogados à sua sorte em diversas condições diferentes, alguns mais hostis que outros. Graças à genética superior utilizada pelas mãos geniais do Imperador eles não somente sobreviveram sozinhos nesses mundos em que foram lançados, mas também mudaram o rumo da história de cada planeta da sua própria forma e jeito de pensar e liderar. No caso de Lorgar ele caiu em um planeta onde a religião era acima da Lei. Era um planeta extremamente devoto que dedicava a maior parte do tempo de seus súditos aos rituais e aglomerações religiosas da fé vigente. O Nome desse planeta era Colchis.


Lorgar possui dons psíquicos que afloraram conforme passava sua puberdade. Esses dons vieram acompanhados de visões estranhas de um grande ser lindo, poderoso e onipotente, que falava com lorgar e o chamava de filho. Para uma mente doutrinada a acreditar em religião e em milagres, aquelas visões nada mais eram que revelações do verdadeiro Deus, do senhor de toda a luz, criação e bondade. Na verdade aquelas visões eram tentativas do Imperador de contactar seu filho perdido, mas a mente destreinada no uso de psiquismo de Lorgar, aliado de seu fanatismo religioso, o fez acreditar que Deus estava falando com ele de fato, potencializando sua vontade e crença.

Lorgar então iniciou uma campanha de fé em seu planeta, que logo escalou para uma cruzada. Milhares de seguidores convergiram em Lorgar por ser um líder natural, por ser um excelente pastor e um exímio diplomata. A fé de lorgar era inabalável e a pureza de seus discursos faziam até os mais crentes dos deuses antigos mudar sua religião para essa nova fé que Lorgar pregava, a do Deus único e dourado que vem dos céus em meio em luz para trazer avanço, alegria e prosperidade.


A Genética do Imperador é forte e ela é provada pela forma como Lorgar conseguiu dominar milhões de pessoas para seu rebanho, foi provada na facilidade de convencimento dessas pessoas a entrar em uma guerra santa contra uma tradição que certamente datava de mais de 10.000 anos atrás. Lorgar falava e eles faziam, tamanho o coração inflamado de seus seguidores. Muitos morreram mas nenhum coração falhou enquanto lutavam ao lado do Messias, do Profeta, do amado Lorgar Aurelian. A guerra acabou em favor de Lorgar, que preparava-se ansioso para receber e Deus que falava consigo em seus sonhos.


O Imperador e sua frota de naves interestelares, ao chegar ao planeta de Lorgar, foram recebidos como arautos divinos, com o Imperador sendo louvado e agraciado como Deus vivo, prova de todas as profecias ditadas por Lorgar: "Meu pai virá dos céus com muitos seguidores", "Ele virá banhado em luz dourada", "Quando ele se revelar, todos saberemos que ele é o nosso Deus". E de fato todas elas se concretizaram, o Imperador sempre buscou veneração absoluta de todos os seus seguidores, tanto que todos os seus adventos são grandiosos, épicos e exagerados. Sempre utilizando sua garba dourada e magnifica, impondo a todos sua superioridade e grandeza.

O que o Imperador não esperava é que essa veneração que ele tanto almeja para liderar a humanidade viesse de fundamentos religiosos, os quais ele abomina e proíbe em seu novo reinado. A nova forma de pensar se chama "Verdade Imperial", que nada mais é que fundamentos extremo-ateístas, considerando toda e qualquer adoração ou crença que não seja fundamentada por lógica um crime e afronta à autoridade do seu governador, o Imperador (lembrando que os únicos que conseguiram manter crenças foram os humanos de Marte, chamados de Mechanicum, ver Parte 4).


O Imperador se voltou para toda a multidão de adoradores e proferiu que na verdade não era um deus, que na verdade não existiam deuses. Ele dissimulou essa cultura pelo planeta de Lorgar, que a aceitou de braços abertos, porém pelos motivos errados. Todos os adoradores e seguidores de Lorgar, assim como toda a sua Legião de Space Marines, só aceitaram a verdade imperial da boca para fora, pois em seus corações o Imperador da Humanidade ainda era o Deus de todos os homens na galáxia, manifestado em carne e osso. Fanáticos religiosos fazem tudo o que seus messias e profetas pedem a eles, e foi o que aconteceu, eles aceitaram a Verdade Imperial só porque o Deus-Vivo pediu, não porque realmente acreditavam nessa Cultura.

"Aham, me engana que eu gosto sr. Deus"

Lorgar era responsável pela 2ª maior legião de Space Marines de todas, perdendo somente para o famosos Ultramarines. Todos os seus soldados, além de lutadores e guerreiros, eram dotados de vontade sem igual e obediência fanática ao seu primarca e ao seu Imperador, e todo planeta e reinado que eles conquistavam eles exigiam tal adoração e fanatismo dos recém anexados ao novo Regime. Eles também eram multiplicadores da fé secreta, construtores e pastores por si só. Toda uma legião de Cruzados que, após cada conquista, realizavam um trabalho extenso de reconstrução cultural para a adoração do Imperador através de missas diárias, realização de obras faraônicas de imagens do Imperador e da formação secreta de pequenas Lojas Maçônicas, onde "A Palavra" era proferida e semeada, o que nada mais era que textos religiosos criados por Lorgar falando da divindade de seu próprio pai. Não é a toa que a Legião de Lorgar se chamava "Word Bearers" ou "Portadores da Palavra". Eles eram tão fanáticos que até marcavam em suas próprias peles os dizeres religiosos em que acreditavam.


Todo esse trabalho civil nos planetas conquistados, e libertados, pelos Word Bearers tomava muito mais tempo que a conquista em si, Várias vezes Lorgar foi advertido pelos seus irmãos primarcas que seu avanço na Grande Cruzada estava muito lento se comparado com legiões que possuíam um contingente muito menor de soldados à sua disposição, sempre comparando a tropa de Lorgar com a de Roboute Guilliman, o lider dos Ultramarines, cujo avanço na grande cruzada era condizente e eficaz com o tamanho da sua legião de soldados. Lorgar sempre retrucava essas criticas dizendo que os planetas conquistados por ele jamais iriam se rebelar contra o Imperador, além de terem um desenvolvimento espiritual e social muito mais elevado que dos outros primarcas. Eles não estavam apenas conquistando e libertando, eles estavam criando verdadeiros e leais seguidores do Imperador.


O Imperador da Humanidade, cansado de virar o olho para seu filho, decidiu então punir Lorgar pelo lento avanço na Grande Cruzada, mandando os Ultramarines para serem os portadores da punição. O Ultramarines descobriram não só que os Word Bearers estavam atrasados nas suas conquistas, mas que também estavam dissimulando a religião do Imperador, indo totalmente contra os princípios ateístas da Verdade Imperial pregada pelo seu próprio pai. Ficou claro então que Lorgar e seus seguidores nunca aceitaram de fato a Verdade Imperial, e que todo esse tempo estavam apenas vivendo uma charada para enganar tanto ao seu pai como às outras legiões. O Imperador ficou furioso quando descobriu essa mentira de seu filho, que era o mais devoto de todos, dessa forma ele ordenou que os Ultramarines evacuassem a maior e mais bela cidade erguida pelos Word Bearers, Monarchia, eliminando toda e qualquer resistência que ameaçasse atrasar a evacuação, e por fim colocar a cidade inteira ao chão, tendo ou não evacuado todos os civis da cidade. Claro que muitos ficaram para trás, tamanho fanatismo religioso que foi impregnado na população de Monarchia.


Assim que Lorgar ficou sabendo desse ato de terrorismo, ele foi direto para a cratera onde antes estrava sua obra prima em forma de cidadela, com toda a sua enorme legião a fim de entender o ocorrido, esperando por eles estavam alguns Ultramarines com seu Primarca. Enfurecido com seu irmão, o lider dos Word Bearers Lorgar estava fora de si, ameaçando Rouboute Guilliman pela morte de milhares de pessoas e devotos que se recusaram a sair da cidade, difamando seu nome a sua honra, chegando até à acerta-lo com sua arma derrubando-o ao chão e rachando sua armadura. Antes que essa loucura pudesse continuar o próprio Imperador apareceu nas ruínas da antiga cidade, perante toda a legião dos Word Bearers e esclareceu de uma vez por todas que qualquer adoração religiosa era proibida, e que seria punida dessa mesma forma no futuro. Ele repreendeu Lorgar, muito mais severamente como um pai repreende seu filho, acusando-o de semear mentiras a seu respeito, trair a Verdade Imperial e mentir para seus superiores na cadeia de comando, e fez tudo isso quando na verdade deveria estar avançando na grande cruzada. Não somente arruinou os poucos planetas já conquistados como deixou muitos outros planetas ainda sob as garras de inimigos do Império da Humanidade

Por fim, ele obrigou a legião inteira de Word Bearers a se prostrarem no chão em vergonha, ajoelhados como servos perante os poucos Ultramarines ali presentes, sem esquecerem por um minuto que foram aqueles soldados a sua frente e ainda de pé quem trouxeram a tona tamanha vergonha, resultando nessa incrível punição. Como se não fosse suficiente, o Imperador apontou um grupo de Custodians para que supervisionasse Lorgar e sua legião e assim impedindo que ocorram futuras falhas, esses são membros da guarda pessoal do Imperador e que reportam somente à ele.

Para esclarecer, esses da imagem acima não são Word Bearers se ajoelhando para o Ultramarine, mas certamente a cena foi mais ou menos assim.

O choque da represália de seu pai deixou Lorgar catatônico e sem destino, a fé era a vida dele, era a alma dele. Sem ela Lorgar, e sua legião, perderam toda sua vontade de lutar, vontade de conquistar. E quem pode culpa-los? Aquele quem eles acreditavam ser seu deus supremo, aquele cujo nome era levado em toda e qualquer campanha como simbolo de paz e união acabara de sacrificar milhares de vidas humanas que o reverenciavam, só para provar um ponto e fazer dos Word Bearers um exemplo para as outras legiões. Nada mais fazia sentido, a esperança tinha acabado e o que restava era apenas o gosto amargo da vergonha, um bando de babás imperiais e o a ordem inexorável do Imperador: "Acelerem a grande cruzada, e não me desapontem novamente".


O que o Imperador não contava, era que os Word Bearers precisavam de uma religião pra continuar lutando, essa era a diretriz principal codificada em seus próprios DNA's, herdada diretamente de seu primarca: Lorgar (uma codificação que nem o próprio imperador conseguiu prever na criação de seu filho). Dois Space Marines veteranos (Erebus e Kor Phaeron) se aproximaram do Primarca durante seu horário de meditação e mostraram que a fé antiga (aquela que Lorgar expurgou de seu planeta natal, em sua guerra santa pessoal) era praticada em outros pontos da galáxia, e que nenhuma outra religião já estudada tinha essa mesma característica. Os três então chegaram à conclusão que deveriam ter certeza que a fé antiga era de fato a verdadeira fé, e que seus deuses de fato existiam, deveriam provar que deuses são reais, e conseguindo provas da sua existência poderem se dedicar a eles de forma plena e devota, evidenciando-a tanto para o Imperador quanto para as outras legiões. Lorgar sabia que esse caminho seria contrário ao do Imperador se fosse descoberto, levando a mais uma repreensão, por isso ordenou que sua legião avançasse na Grande Cruzada de forma exageradamente rápida, não se importando com baixas ou atrasos burocráticos. Canalizados por um novo dever de buscar o verdadeiro divino, os Word Bearers fizeram exatamente o que lhes foi ordenado, mas dessa vez sem pensar duas vezes caso precisassem eliminar inocentes se assim necessário, e sem se preocupar com danos colaterais. Afinal esse é o exemplo que o próprio Imperador deu a eles, não é mesmo?

"Eu vou provar que deuses existem, custe o que custar"

Em paralelo Lorgar recuperou escrituras da fé antiga de seu antigo planeta e assentiu à uma profecia ditada por um dos grande devotos de seu planeta, a de uma peregrinação para o local mais distante que a fé poderia leva-los, onde no final dessa peregrinação eles encontrariam as provas que desejavam sobre todas as respostas e dúvidas que tinham. Lorgar com uma força pequena de Space Marines se dedicaram à essa peregrinação enquanto a Grande Cruzada avançava, e no fim dessa jornada ele chegou à um ponto de extrema turbulência espacial, um lugar terrível onde tempestades da Warp se manifestavam na própria realidade sem o auxilio de Psykers, ao invés de ficarem contidas na sua própria dimensão como de costume. E nesse local, ele descobriu que a fé antiga, e os deuses que nela residiam eram reais, foi nesse lugar que Lorgar redescobriu sua fé, e lhe foi revelado o mais amargo de todos os caminhos, mas o verdadeiro caminho, o caminho divino de redenção e pureza. Esse lugar é conhecido como "Eye of Terror" ou "Olho do Terror". Ele havia encontrado os DEUSES DO CAOS.

Khorne, Tzeentch, Nurgle e Slaanesh

Nenhum comentário:

Postar um comentário