Critica do filme "Deadpool" [Sem Spoilers]


Bem, sabem o que este filme e futebol tem em comum? Além de ambos serem do caralho, absolutamente nada. Mas deixem-me roubar alguns minutos de seu tempo com uma analogia usando o esporte bretão. Acredito que todos estejam familiarizados a roubalheira que este país é, não? E obviamente a querida Confederação Brasileira de Futebol não poderia ser diferente, com uma lendária tradição de corrupção. E em 2014 eles mostraram ao mundo o que significa o tal "jeitinho brasileiro" com a Copa do Mundo mais inflacionada da história.

Mesmo tendo total noção de tudo isso, torci pela Seleção na Copa. Mesmo sabendo como esta merda funciona, eu torci como se não houvesse amanhã e sim, sofri muito quando levamos aquela sacolada histórica dos alemães. Essa é a mesma situação minha com a FOX.

Vejam, existem algumas coisas que não são nada fáceis no mundo nerd. Uma delas é aguentar desrespeito das produtoras com certas obras. Dá pra listar dezenas de filmes terríveis que nos enfiaram goela abaixo. Tudo motivado pela ganância das produtoras, que esquecem rapidinho das boas histórias, não estão nem aí para os fãs e tentam fazer qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, do modo mais rápido e absurdo possível, com o único intuito de capitalizar. O pior é que muitas vezes por nossa curiosidade e paixão à causa, conseguem.


Claro que algumas produtoras foram mais carrascas que outras, mas talvez nenhuma tenha sido mais que a FOX. Esta, a mão por trás de clássicos como o Demolidor de Ben Affleck, A Liga Extraordinária, Motoqueiro Fantasma, duas vezes, e obviamente, o hours concours, a franquia mais desperdiçada do século 21, o câncer em formato de película, a bosta flamejante voadora que para todo sempre vai perseguir nossos sonhos, Quarteto Fantástico, TRÊS VEZES

Toda vez que eles anunciam um filme novo me arrepia a espinha. Mesma coisa quando a Seleção anuncia um treinador novo, ou um cartola novo. Esse sentimento foi as alturas quando anunciaram um filme do Deadpool. Quase tanto quanto com o Dunga. O que seria para FOX, que já fez tanta merda, cagar com mais uma franquia, ainda mais que esta já começaria na merda, já que Wolverine: Origens infelizmente existiu e eu inclusive paguei para ver no cinema.

Ainda assim meu lado torcedor falou mais alto e cacei motivos para ficar tranquilo. O filme seria feito com baixo orçamento, Ryan Reynolds estaria motivado para o papel, o teaser que vazou em 2014 parecia ótimo, bla bla bla. Até que trombei com a melhor das noticias, a FOX não meteria muito o bedelho e ia ser PG-18. Caralho! Daí tive a certeza absoluta de que este filme seria um golaço!


Mesmo com os trailers me dando esperança, mantive meu nervosismo até o momento que começou o filme, afinal, FOX é FOX. Porém já nos créditos iniciais me tranquilizei e vi que estava certo, estava vendo algo que não só respeitava o personagem, mas o público também! Por duas das melhores horas que passei no cinema em eras, atingi todas as expectativas. Até mesmo depois do final, em sua cena pós créditos, Deadpool cumpre tudo o que prometeu desde seus rumores inicias.

Muito além de uma campanha de marketing genial, o "Merc with a Mouth" me parecia até melhor que nos quadrinhos! A linguagem do cinema conseguiu dar a dinâmica que muitas vezes a HQ não consegue, com algumas histórias forçadas e dependendo só do carisma cego do público com o personagem. A quebra da quarta parede, o humor sem limite algum, os easter eggs e a falta de noção do filme cruzaram barreiras nunca cruzadas antes, como a dos direitos. Tem piada com a DC, tem uma cena final de batalha em algo que parece ser "importado" do Universo Marvel, tem zoeira até com a própria FOX, diversas vezes. A produtora apertou o botão "foda-se" e acertou em cheio.

Claro, o filme tem seus defeitos. Não conseguiu deixar de ser uma história de origem e ter um romancezinho clássico, mas pela qualidade geral da obra, podemos fazer vista grossa para isso.


Deadpool é um título enorme pra FOX, não chega ser um Mundial, mas é pelo menos, uma Libertadores da América. Porém não ache que eu perdoei os  pecados do passado, sei muito bem com quem estou lidando e o fato deste filme ser bom, tem certo gosto amargo. Gosto de saber que, assim como teria sido caso a seleção brasileira tivesse ganho a Copa, o "lado negro" foi vencedor. Os cartolas fumando seus charutos ganharam em um tiro totalmente cego, um chute sem pretensão do meio campo que acertou o ângulo.

Resta ficar na expectativa que isto tenha servido de lição para alguns, de preferência a lição correta. Que seguir o bom senso e respeitar o público na maioria das vezes dá resultado. Se 9 em 10 fãs estão falando que ficou uma merda, as vezes ficou mesmo, valendo também para o contrário. Também espero sinceramente que a lição não seja deturpada, que os estúdios não pensem "Putz, o caminho são heróis engraçadinhos e quebra da quarta parede!" ou que seja só o "PG 18" que fez a diferença. Não, foram os "cojones" de Tim Miller e Ryan Reynolds ao apresentar algo nunca visto antes neste gênero para o público.

Esperamos que mais riscos assim sejam tomados, caras produtoras! E quem sabe um dia possamos ver um filme de super herói intocável e clássico, para ser lembrado por gerações como algo épicamente foda, que marcou não somente a história do cinema de um gênero, mas como um todo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário