Quissama: um excelente jogo para apresentar outra forma de jogar


Uma das maiores questões sobre jogos de tabuleiros em geral é que muitas pessoas os consideram infantis ou extremamente complicados, sem nenhum tipo de meio termo entre eles.

 Para um mercado que está redescobrindo o prazer de juntar pessoas ao redor de uma mesa e desfrutar de uma boa jogatina enquanto conversa e mata as saudades, são necessários jogos menos tensos, com conflito mais indireto e que não dependam tanto de sorte, dando ao jogador a sensação de ter conquistado algo com seus próprios méritos.

Neste aspecto, o Quissama, de Ricardo Spinelli, lançado recentemente pela Ludens Spirit, cumpre muito bem esta função de apresentar uma experiência diferenciada em matéria de jogos de tabuleiro.

Como o mercado de jogos de tabuleiro está bem aquecido neste 2016, vamos falar um pouco mais deste jogo e dar alguns motivos pelos quais você deve considerar a compra dele.


Um tema brasileiro com estilo euro

Uma das maiores dificuldades da nossa indústria do entretenimento é conseguir chamar a atenção para histórias que aconteçam aqui, especialmente quando falamos de ficção histórica. É interessante o quanto, especialmente os jovens, adoram histórias sobre os reis da Europa, mas ignoram totalmente o Brasil império, por exemplo, que teve histórias fantásticas e personalidades incríveis, como a própria família Imperial e muitas outras.

Quissama é um bom sinal de que isto está mudando. O livro no qual o jogo é inspirado foi escrito por Maicon Tenfen e fala sobre o jovem Vitorino Quissama, escravo fugido que busca sua mãe, contando com a ajuda de Daniel Woodruff, ex-membro da Scotland Yard. O que seria uma simples missão de resgate se mostra muito mais, em uma história veloz, eletrizante e totalmente brasileira.

A grande surpresa é quando, mesmo sem ler o livro (o farei em breve), você percebe que o game designer conseguiu reproduzir, sem atrelar excessivamente, o clima e nuances da história do livro em seu jogo. Ao contrário do que pode parecer quando você abre a caixa, você não “joga” com os personagens do livro. Eles são objetivos, formas variadas de ganhar o jogo, que podem ser adquiridas e então sabotadas pelos amigos.


Ao contrário do que temos, por exemplo, em WAR, referência muito comum para muitos brasileiros, os objetivos são abertos e oferecem vantagens que dão a você ainda mais facilidade para ganhar o jogo. Todas as ações, entretanto, devem ser feitas com combinações de cartas, o que dá o toque de sorte para que o jogo não fique determinista e repetitivo.

O mais fascinante é que com mais jogadores, a estratégia de quando avançar com seu próprio objetivo e quando sabotar um adversário fica muito divertida e interessante, pois você também pode ser sabotado se não se prevenir contra isso.

Ao contrário de outros jogos, onde a complexidade ou o peso do tema fazem com que nem todos possam participar, Quissama pode ser jogado com crianças, com parentes mais velhos e pessoas que nunca jogaram jogos de tabuleiro modernos, sendo uma excelente opção para começar a sua coleção ou ainda para apresentar o hobby para os novatos.

Compre seu Quissama diretamente com a Ludens Spirit ou nas melhores lojas do ramo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário