Chobits | O quanto a tecnologia afasta as pessoas?


Atualmente vemos várias obras que falam da relação humano-máquina, tivemos o ótimo filme Her (leia nossa crítica), Ex-Machina, Transcendence, o famoso Matrix... A lista não para, se fossemos citar obras de outras mídias (livros, animes...) teríamos mais uma enxurrada de títulos sobre o assunto e a tendencia é que essa área da Ficção Científica ganhe mais destaque com o passar do tempo. O porque disso chega a ser óbvio nos dias de hoje: a humanidade está aumentando as interações sociais através de meios virtuais e diminuindo as interações através de contatos presenciais/físicos.

No meio de tantas obras com essa mesma temática, algumas conseguem se destacar mais do que as outas, por motivos diversos, e hoje eu irei falar de uma que conseguiu ter esse destaque no mundo dos mangás: Chobits.


No mundo de Chobits (o mundo real no futuro) existem "androides" chamados de "Persocom" (palavra que abrevia Personal Computer, ou Computador Pessoal), e eles podem fazer tudo para seu dono, desde que siga a programação que lhes foi implantada. Eles podem navegar na internet, fazer pesquisas, atender chamadas "telefônicas", além dos trabalhos físicos que uma pessoa normal também pode desempenhar, ou seja, além de poder fazer o que uma pessoa normal faria, eles fazem muito mais.

Por conta de toda essa perfeição dos persocoms um problema surgiu: as pessoas cada vez mais passaram a preferir a companhia de um persocom do que a de outra pessoa. Isso acabou destruindo casamentos, amizades...

"Os Persocoms convivem com as pessoas, sim... São mais inteligentes do que as pessoas. São mais bonitos. São bons em tudo. Por serem muito melhores do que as pessoas, estão sempre do lado delas. Por isso, não há espaço para uma pessoa estar ao lado de outra."

Nesse mundo, mais precisamente na cidade de Tóquio, vive Hideki, um rapaz criado no interior, que foi para a capital pra poder estudar. Hideki trabalha em um bar pra poder pagar o cursinho e sua moradia e não tem nenhum persocom por falta de dinheiro, e também por não entender nada de tecnologia. No começo do mangá percebemos o choque cultural do personagem ao ver vários persocoms transitando livremente, como se fossem pessoas, pois no interior isso ainda não acontecia.

Um dia ao sair do trabalho ele acaba achando uma persocom jogada no lixo, e resolve levá-la pra casa, e é aí que a história começa. A persocom que ele achou aparentemente não possuía nada instalado e só pronunciava a palavra Chii (que acabou sendo o nome que ele deu a ela). Como Hideki é uma negação em tecnologia, ele pediu ajuda para seu amigo Shinbo. Após falharem em tentar verificar a memória de Chii, Shinbo fala para ele procurar um garoto chamado Kokubunji, que é expert em persocoms.


Kokubunji também falha em conseguir qualquer tipo de informação e diz para Hideki que Chii pode ser da lendária série Chobits. Diz a lenda que alguns persocoms especiais foram produzidos, e que as habilidades deles vão muito além da capacidade normal de apenas seguir sua programação.

Com o passar dos capítulos, notamos que Chii começa a desenvolver sentimentos por Hideki, o que levanta mais questões morais. Será que uma máquina algum dia vai realmente conseguir desenvolver alguma espécie de sentimento, ou apenas irá seguir uma programação que simule o mesmo? Esse é um dos questionamentos que a obra aborda de uma forma bem marcante.

"Persocoms fazem o que deixa o dono contente... Só que, na verdade, tudo não passa de uma ação controlada por um programa. [...] Tanto o sorriso, como a cara de tristeza... Tudo. Então... não é a mesma coisa. Não sei dizer o que não é a mesma coisa, mas... É que eu pensava que persocoms eram úteis e que podiam fazer qualquer coisa. Isso continua sendo verdade... Mas sei lá... Eles são úteis demais, cômodos demais, são convenientes demais... E isso não é igual a um outro ser humano."

Além dos personagens principais, temos alguns personagens secundários que têm/tiveram algum tipo de problema referente a relacionamentos humano/persocom, e cada um apresenta um problema único e marcante. Uma das coisas mais legais de Chobits é ver que Hideki vai amadurecendo a medida que ele passa a conhecer esses problemas das outras pessoas e também começa a fazer esse tipo de questionamento, passa cada vez mais a entender esse tipo de relação e o porque de ela estar substituindo as relações normais entre duas pessoas.

Recomendo Chobits a todos os amantes de Ficção Científica e/ou apreciadores de um mangá de muita qualidade, já que a obra mistura comédia/drama/romance de uma forma muito boa.

Chobits é um mangá feito pela CLAMP - que é um grupo formado por 4 mulheres: Ageha Ohkawa, Mokona, Tsubaki Nekoi e Satsuki Igarashi - e é um mangá do gênero Seinen (com temática adulta). Atualmente ele é lançado no Brasil pela editora JBC e está no volume 5 (de 8), você pode adquirir as edições anteriores no site Comix.com.br.

P.S.: O Anime também é muito bom, assista!

Nenhum comentário:

Postar um comentário