Sebos: Por que você deveria comprar mais livros lá?


Hoje em dia, espaços onde as pessoas possam se expressar livremente, trocar ideias com desconhecidos e curtir suas paixões sem serem humilhados (mas também sem protecionismo) são cada vez mais raros. As pessoas simplesmente perderam a capacidade de discutir sem partir para a agressão verbal.

Eu tinha um lugar assim, quando era mais jovem. O sebo do João, ali na Conselheiro Carrão (SP).

Quando eu era mais novo (e tinha muito menos dinheiro) era lá que eu ia buscar meus livros, minhas referências de vida. Até porque esta política de barateamento de livros é recente, e quem compra livros a mais de dez anos sabe do que eu estou falando.

O que, pelo menos eu acho, tinha de mais mágico nos sebos pequenos, era a figura do livreiro. Uma pessoa que se dedica a garimpar e decidir o que valia ou não, invariavelmente alguém fascinado por livros e, o que mais me chamava à atenção na época, um sentimento de neutralidade que beirava a prerrogativa de dono de bar.


Os livreiros podem discutir por horas com você, mas, a menos que você seja um cliente costumaz e já tenha dado uma abertura para tal, ele nunca irá discordar de você diretamente. Ele se manterá levemente afastado, mas irá, invariavelmente, mostrar outro ponto de vista. Alguns são mais acalorados em suas opiniões que os outros, mas como verdadeiros comerciantes de informação e sonhos, eles sabem quando parar.

Além disso, o sebo é um excelente lugar para conhecer autores novos. Afinal, você está pagando bem menos no livro, então não tem tanto problema se ele não for do seu agrado. Quantas vezes eu não gastava dez reais em um livro, simplesmente pelo fato de ter gostado do que vi, sem grandes necessidades de saber mais sobre o autor? Tenho alguns comigo ainda hoje, gosto muito deles e, sinceramente, nunca me preocupei demais de saber mais sobre quem eram.

Finalmente, para um verdadeiro apaixonado por livros com algum tempo de vida (quem tem mais de 25 vai concordar comigo) ver livros e revistas de cinco, dez anos atrás é uma experiência poderosa, às vezes cheia de emoções e até de contradições.


Reler livros, há muito perdidos, recomprá-los por um valor menor, encontrar livros recém lançados por valores mais baixos, além de manter um dos últimos bastiões da livre comunicação offline, eis alguns dos vários motivos pelos quais você deveria prestigiar o seu sebo local.

Agradecimentos especiais ao João e a Edi, do sebo da Conselheiro Carrão, e ao índio, da banca de livros na Avenida São João (ambos em SP), que marcaram minha vida de forma que nenhum atendente de livraria conseguiria.

3 comentários:

  1. lojas de sebo são maravilhosas...bela postagem parabéns e meu abraço aos ALFARRÁBIOS desse país

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado William. Também vivi muitos momentos divertidos por causa de sebos.

      Excluir
    2. Gostei da matéria. Simples e apaixonada... e com algumas pequenas reflexões bem importantes.

      Excluir