Review/Previews das séries baseadas em HQs - Parte 1 DC/WB


Bem vindo, caro leitor do Nerdbucks! 

Estamos vivendo na melhor época para ser nerd. A indústria da sétima arte está fervilhando de adaptações. É tanto conteúdo saindo dos HQs e indo para as telas que muitas vezes fica difícil acompanhar tudo.

Pensando nisto, trarei a vocês alguns reviews do que nos foi apresentado durante os anos de 2014 e 2015 no quesito séries de super-heróis. Abordarei também o que está por vir nesta temporada 2015/2016. 

Como o conteúdo é muito extenso, farei uma série de postagens para conseguir abordar tudo e mastigá-lo para vocês. 

Nesse primeiro texto irei comentar as séries da DC Comics que, atualmente, estão sob os cuidados da Warner Brothers!

AVISO: Os reviews possuem spoilers leves!


Arrow

Vamos começar com esta que é a mais consolidada de todas as séries de HQ correntes. Sem necessidade de muita apresentação, a saga do Arqueiro Verde continuou a toda. 

Na terceira temporada Arrow amadureceu. Parou de depender de clichês com tramas amorosas (dignas de ‘The OC’) ou a aparente alergia de Oliver Queen a camisas, criando uma mitologia própria e com bons personagens como Diggle e Felicity, que acabaram se tornando mais independentes, semeando easter eggs e trazendo a presenças de grandes personagens do universo DC.

Até a metade desta temporada, Arrow seguia um ótimo ritmo, com um genial "crossover" entre Flash e o Arqueiro. Parecia algo vindo direto das páginas das HQs, chegando a um mid-season finale épico. Realmente acreditei que esta seria a temporada definitiva da série. Infelizmente, o ritmo caiu. Apesar da introdução de Brandon Routh como o herói Átomo, da presença de Ra's al Ghul e de uma nova aparição do hypado Esquadrão Suicida, não me empolguei nem no ultimo episódio. Todos os plot twists foram ótimos, porém a falta de coragem da série em sair da zona de conforto me irritou. Obviamente, eu não estava esperando mortes chocantes, roteiros complexos ou algo que mude minha vida, mas me senti traído pela "expectativa" criada na mid-season. Esperava que algo realmente mudasse e no final, todas as resoluções foram as mais preguiçosas possíveis. Um potencial desperdiçado.

O maior desfalque para a próxima season será a ausência de Colton Haynes, ator que fazia o personagem Arsenal. Atualmente, ele está negociando outros papéis com diversas emissoras, incluindo uma possível aparição na nova série ‘Titans’, da TNT, sobre os Jovens Titãs, para o papel do Asa Noturna. Sei que o público alvo deste seriado é mais jovem e, por passar em uma TV aberta, não posso esperar nada "maior" que isso, porém, gostaria de um upgrade na história geral da temporada. Achei a linha narrativa principal fraca, algo mais complexo cairia bem. Pelo menos saímos um pouco daquele formato "monstro da semana", apesar de alguns episódios ainda seguirem este caminho. 

Espero que Arrow amadureça mais ainda na próxima temporada e que possamos ver outra evolução nessa série com muito potencial.


The Flash

Ah, The Flash! Essa sim a maior surpresa da temporada! O personagem de Barry Allen foi recebido de braços abertos pelo público desde sua primeira aparição em Arrow, fazendo com que a série solo do nosso herói escarlate recebesse luz verde.

Sim, foram cometidos erros. Abusaram demais do formato "monstro da semana", os momentinhos de Iris, Barry e Eddie foram insuportáveis e nauseantes, mas a série acabou encontrando um tom ótimo, inocente, que retrata muito bem a personalidade do personagem das HQ's (até exagerando algumas vezes na inocência e evocando um certo tom ‘Peter Parker’, da rival). 

A série foi muito mais ousada do que eu imaginava. Em momento algum acreditei que seriam introduzidos conceitos espinhosos como viagem no tempo, realidades alternativas e principalmente um gorila telecinético que lê mentes! HAHA. Vimos a construção de um grande rival para o Flash: Dr. Wells, em uma ótima atuação de Tom Cavanagh, muitas vezes sendo um vilão clássico e em outras um anti-herói. Este personagem, ao lado do protagonista, foram os fios que seguraram a narrativa principal.

Perdemos as contas dos novos vilões e heróis introduzidos pela galerinha de Central City. Cisco com seus apelidos que somente um grande fã de HQs poderia dar, Capitão Frio se mostrando um personagem bacana, Nuclear aparecendo em uma trama meio chata mas com potencial e, principalmente, o Gorila Grodd. Sinceramente, eu esperava um CGI tosco e bizarro, ou até somente menções longínquas desse nemesis de Flash, mas fiquei muito feliz em vê-lo na telinha como um ser poderoso e que faz sentido, não uma bizarrice para ser esquecida, como aconteceu com tantos personagens introduzidos em Smallville e afins.

Apesar de também perder um pouco o ritmo da metade para frente e seu season finale acabar em um cliffhanger meio clichê (convenhamos que aquela situação será resolvida em menos de cinco minutos do S02E01 HAHA), acredito que, se os produtores se mantiverem corajosos e continuarem administrando os temas espinhosos introduzidos, além, é claro, de aprofundarem os carismáticos personagens mantendo esse tom divertidíssimo da série e com um imenso potencial de Crossovers, The Flash continuará ótima em sua segunda temporada.



Lendas do Amanhã

Esta série que está confirmada para sua primeira temporada será a terceira do universo televisivo da WB, hoje dividido por Arrow e Flash. Terá como personagens principais Capitão Frio (Wentworth Miller), Onda Térmica (Dominic Purcell), Átomo (Brandon Routh), uma outra Canário, agora Branca, com a volta de Caity Lotz e Nuclear (Victor Garber). Teremos também a introdução de Hawkgirl (Ciara Renée), Franz Drameh como um herói ainda não divulgado e Rip Hunter (Arthur Darvill), como o líder desta equipe. Este personagem, mencionado no ultimo episódio de Flash, é conhecido por ser um viajante do tempo. Ele voltará a 2015 para reunir uma equipe de heróis com a missão de manter nossa linha do tempo coesa, lutando contra ameaças de todas as épocas e tendo como principal vilão o promissor Vandal Savage.

Acredito que esta série merece sim uma chance. Ela pode tanto ser um sucesso de público e crítica, como aconteceu com The Flash, ou pode ser um retumbante fracasso, correndo risco de ser cancelada na primeira temporada.

Meu medo são os personagens. Essa "Liga da Justiça Underground" não vai ter um protagonista extremamente cativante, não veremos nenhuma grande estrela da DC de maneira recorrente, como Arrow ou Flash, e nem aqueles personagens lado B bacanas, como Deathstroke ou Ra’s Al Ghul. Temos também a questão da “dinâmica de grupo”. Vimos certo sucesso nesse estilo com Agents of Shield, mas vários erros também. Espero que a WB esteja de olho e consiga aprender.

O vilão tem muito potencial. Um dos maiores algozes do universo DC, poderosíssimo, com motivações fortes e nascido há milhares de anos. Vandal Savage poderá se estabelecer como um "big boss" desse universo televisivo da DC, podendo até aparecer em Arrow e Flash! É um sopro de vitalidade nas três séries. Se bem aproveitado ele poderá ser o conduito que falta nesse universo. Espero que o ator escolhido seja digno do grande personagem.

Se você é fã do universo televisivo da WB e já perde suas duas horinhas semanais com Flash e Arrow, será seguro acompanhar, pelo menos até o mid-season finale. Caso seja um fã esporádico de seriados ou um fã hardcore de hq's, não sei se fará muito seu perfil. O fã de seriados vai estar bem perdido com a larga quantidade de personagens e histórias dependentes uma da outra e o fã de hq's hardcore, que muitas vezes já fica insatisfeito com a falta de profundidade de Arrow e Flash, provavelmente vá se frustar de vez com este seriado. Esperamos que pelo menos apareçam uns easter eggs interessantes!


Na próxima semana falarei sobre as mais séries da DC, Constantine, Gotham, iZombie e outros rumores de seriados que a Distinta Concorrência irá colocar para seu público. 

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário