Por um punhado de Dólares - Parte 2


Então, sejam bem vindos, se voltaram é porque gostaram e fico feliz com isso! No ultimo texto dei uma pincelada sobre a história do western, principalmente no cinema que é o meu foco desta série de textos. Hoje vou dar uma pincelada na história do gênero dos Supers no cinema, quando começou, primeiros filmes que saíram e a evolução deste gênero que faz a alegria de todos nós, nerds.

Ok, vamos por partes. Se generalizarmos, até os próprios westerns beberam muito da cultura de comics, já que antes de identificarmos o gênero dos quadrinhos pelas cores vibrantes e seres com capacidade de destruir galáxias, existiram várias abordagens em vários estilos. Entre eles as saudosas histórias baseadas na cultura do faroeste, como TEX, Lone Ranger e Billy The Kid. Então vamos delimitar como o assunto principal, os filmes e séries de TV baseados nas comics de supers, delimitado? Então vamos pra cima.


As primeiras adaptações destes heróis foram para a telinha, em seriados na década de 40. Entre os exemplos mais lembrados vem o Batman (sim, existe vida antes do prefeito de Quahog), Superman e Fantasma. As séries eram para o público de família se reunir e assistir em sua telinha em preto e branco. Hoje são datadas com roteiros inocentes e cheios de conteúdo racista, definitivamente não envelheceram bem (haha). Na década de 50/60 vemos séries clássicas como o Batman de West e O Sombra, e temos o advento de várias animações que estão na memória dos nerds mais velhos como Quarteto Fantástico, Homem Aranha e Liga da Justiça, naquela tosquisse maravilhosa que todo mundo é fã. Coringa com bigode, Spidey escrotamente desenhado e heróis que se transformavam em balde (HAHA). Ótimo, isso sim envelheceu fodasticamente.

As séries e animações continuam a todo vapor até hoje, sofreram sim algumas quedas, principalmente na década de 80, mas todos lembramos do Hulk do Ferrigno e da Mulher Maravilha da Lynda Carter. Mas esta década foi uma espécie de “busca espiritual” das HQs e tudo em seu redor, uma fase em que o público adulto queria continuar consumindo porém as produções já estavam simplórias demais. Em 90/00 vimos a continuidade dessa onda de supers com clássicos do estilo de X Men, Batman Beyond, Spawn, The Tick nas animações e The Flash, Lois e Clark e até aquela bomba chata pra caramba do Smallville (desculpem fãs, mas aquilo era foda de assistir), já atingindo todos os públicos, da criança ao adulto.


Enfim, nem falamos da nossa telona! Essas séries foram lentamente dando mais confiança ao gênero, fazendo com que os estúdios fossem se interessando pela audiência das TVs, fiel e em boa quantidade. O primeiro grande filme de super heróis, praticamente o Poderoso Chefão do gênero, que não só consolidou como algo para todos os públicos como realmente era bom, tinha boas atuações e grandes atores, foi o Superman de Donner, de 1978. É indescritível a importância desse filme para que hoje possamos ver nossos heróis no cinema comendo uma gordurosa pipoca, mereceria um artigo só para ele, por isso nem vou me aprofundar muito, a empolgação vai pegar e daí já viu, fico 5 parágrafos só falando sobre Reeve e Brando.

Depois deste primeiro filme que foi um sucesso de publico, critica e renda, os estúdios cederam de vez aos supers. Saíram dezenas de filmes com essa temática na década de 80 e 90, alguns clássicos como Conan, Flash Gordon (Com trilha do Queen!!!) e Batman de Burton, mas também peças cancerígenas como O Justiceiro do Lundgren, Quarteto Fantástico e Capitão América (sim, existem filmes anteriores as versões de 2000, e que não devem ser assistidos sem o consumo de tóxicos pesados, pelo bem de sua sanidade).


De 90 a 00 vimos a consolidação desse gênero na cultura geral como algo comum, trivial, tanto que a geração desta década já cresceu vendo vários destes filmes no cinema ou em VHS, lendo HQs em massa e jogando games divertidíssimos em seus consoles e com seus pais também curtindo e consumindo muito deste gênero. Os nerds não podem reclamar, o aumento deste mundo foi enorme, tanto em quantidade como em qualidade. Muita coisa boa saiu, claro que também muita podreira, porém filmes como Batman Eternamente são diluídos na memória e viram piadas, enquanto obras como Mask of the Phantasm ficam pra sempre marcadas como geniais.

Hoje vimos que os Supers nos acompanham a muito mais tempo que imaginamos e vêm lentamente buscando seu espaço desde a década de 40! Semana que vem vou entrar no mundo moderno dos filmes de HQ's, comentando um pouco sobre a Marvel Studios, DC/WB e todo esse mercado de bilhões, também traçando o paralelo entre os Supers e o Faroeste!

Fiquem ligados!

Leia a 1ª Parte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário